Acompanhamento Processual

Insira seu usuário e senha para acesso ao sistema de acompanhamento processual.

Webmail Corporativo

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Restabelecida sentença que absolveu médico da acusação de desvio de verbas públicas

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu o Habeas Corpus (HC) 157288 para restabelecer sentença que absolveu o médico Luciano Araújo Lopes da acusação de desvio de verbas públicas (peculato). O ministro observou que, na sentença, ficou expressamente anotado não haver provas da intenção de fraudar (dolo) e que esse fundamento não foi afastado pelas instâncias seguintes. De acordo com os autos, o médico foi acusado de desviar verbas públicas federais e municipais em decorrência de contratos de prestação de serviços firmados com o Programa de Saúde na Família (PSF) e com a Secretaria de Saúde do Município de Tenente Laurentino Cruz (RN), perfazendo uma carga horária de 80 horas semanais. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), como os contratos tinham o mesmo prazo de validade e a mesma carga horária, teria ocorrido fraude com o objetivo de desviar verbas públicas e acumulação ilícita de cargos. A defesa argumentou que, devido à falta de médicos no alto sertão potiguar, a prefeitura teria contratado o médico para que ele prestasse serviços três vezes por semana no município, compreendendo a atuação no PSF e a realização de pequenas cirurgias. Afirmou, também, que o Conselho Municipal de Saúde do município dispensou o médico da carga horária de 80 horas semanais para que o serviço fosse prestado em três dias da semana, inclusive aos domingos. Segundo a defesa, a conduta poderia se configurar como ato de improbidade administrativa, mas não como crime de peculato. Em primeira instância, o médico foi absolvido. Segundo a sentença, embora o não cumprimento das cargas horárias pudesse, eventualmente, configurar ilícito civil e implicar o ressarcimento ao erário, a conduta não configura crime, pois não teria havido a falsificação de contrato para desviar verbas públicas. A acusação interpôs apelação criminal, que foi provida pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) para condenar o médico ao cumprimento da pena de três anos e seis meses de reclusão, em regime aberto, substituída por duas penas restritivas de direito, além da perda do cargo público. Ao analisar recurso da defesa, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação por entender que, para examinar o pedido, seria necessário o revolvimento de fatos e provas. Ao conceder o habeas corpus, o ministro Alexandre de Moraes salientou não ser necessário revolver matéria fática para reconhecer, no caso, a falta de justa causa para a ação penal. Ele observou que o juízo de primeira instância verificou não haver provas de ligação subjetiva entre o médico e o prefeito com a finalidade de desviar verbas públicas ou de causar qualquer outro tipo de dano ao erário. O relator destacou que, segundo o Código Penal, a não ser em casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como crime “senão quando o pratica dolosamente” (artigo 18, parágrafo único). Observou, ainda, que ficou assentada em primeira instância a ausência do elemento subjetivo do crime (dolo), compreensão que não foi afastada nos julgamentos supervenientes, de modo que não há subsídios para a condenação. O ministro ressaltou ainda que a absolvição com relação ao crime de peculato não afasta a possibilidade de responsabilização civil para a devolução dos valores ao erário público.
09/10/2018 (00:00)
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia